segunda-feira, 6 de agosto de 2012

De perto, ninguém é normal

Uma velha discussão política no Brasil é a da nossa singularidade. Ela aparece em vários espectros da ideologia, seja no aspecto de esquerda onde se coloca que "temos nossa maneira de lidar com alianças e com o estado" seja pela direita que a usa para colocar que a política aqui deve ser mais dura com manifestações para tentar "educar nosso povo para a civilização política".

Em ambos os casos existem outros exemplos claros. Temos a defesa por parte da esquerda que "A população latino-americana entende um governante forte e carismático como fundamental e por isso as relações clássicas 'republicanas' talvez não se apliquem por aqui" e pela direita de que "O Brasil tem um atraso fundamental civilizatório e precisa de um 'choque' de xxxxxx" onde está o xxx preencha com "capitalismo", "ordem", "civilização" ou outro termo que se lembrem.

A singularidade Brasileira em ambos os casos, ou para destacar diferenças qualitativas e/ou de excepcionalidade ou  para desqualificar métodos democráticos de relação entre classes e de disputa de poder ou mesmo ainda desqualificar a luta do povo como "desordem", serve para adequar ações políticas de forças x ou y à uma realidade que só existe aqui e que por isso torna necessárias medidas de exceção, sejam elas morais,  de política de alianças ou de força.

A questão básica é que a defesa da singularidade parte de uma premissa óbvia para a sustentação de  falácias.

É óbvio que o Brasil é singular! Como o é a Argentina, o Peru, o Japão, o Chipre, os Estados Unidos, Pernambuco, Amazônia, Pelotas ou Madureira, assim como toda a unidade geográfico-populacional existente nesse mundo de meu deus e que se organizam socialmente em um espaço e com uma determinada ação política que mistura a organização institucional, questões culturais, tradições, língua,etc.

Essas singularidades no entanto não estão isoladas de questões que se consagraram com os modelos de estado ditos "burguesas" que se tornaram hegemônicos no planetinha especialmente a partir do imperialismo punk rock do fim do século XIX onde o capitalismo se espalhou fortemente no planeta se tornando hegemônico e derrubando formas de organização políticas diferentes das Europeias e tornando o modelo de estado baseado em três poderes e constituição quase que presente em todo o mundo.

Na América por exemplo, isso é muito, mas muito anterior, sendo por baixo um modelo que já é estabelecido no início do Século XIX quando dos movimentos de independência, sendo porém possível falar que a lógica de estado europeia já é presente desde antes, dado que a América era colonia de estados europeus e reproduziam em menor escala estes estados aqui.

Tradições foram inventadas e reinventadas, desde a autoritária caudilhesca centralizadora até a republicana, que se organizaram em torno das singularidades e construíram repostas próprias diante dos modelos de estado e se construíram entre oposições e situações com sua relação entre singularidades espaciais e culturais e o estado que foi se organizando entre essas pressões até hoje.

Se temos a singularidade de buscar líderes autoritários e centralizadores carismáticos, ele é tão singular quanto o sebastianismo luso, a forte presença fascista e carismática italiana ou o franquismo espanhol.

Há algo tão caudilhesco quanto o culto ao presidente dos EUA e a tradição de eleição para este cargo de membros da elite estadunidense, seja ela rural ou não, com raras exceções? Há algo tão republicano quanto a política chilena na maior parte de sua história? A construção de partidos comunistas no Brasil e Argentina e relações tão similares em sua repressão como a que ocorreu nos EUA e na Europa às forças socialistas não são exemplo de nossa tradição comum republicana?

A própria construção histórica das lutas da classe trabalhadores de imensa semelhança com as lutas ocorridas na Europa e EUA é uma singularidade? Ou talvez a singularidade seja menos exceções relacionadas a uma "impossibilidade" de construção de ações políticas que sejam pautadas em uma tradição democrática, de esquerda, republicana e ideológica e mais nossa forma particular, como a  de todos, de lidar com nossas tradições e contradições, línguas, carinhos, amores e debates, ou seja, nossa cultura dentro da tradição republicana?

A busca de nossa singularidade não pode ter em mente que nossa singularidade traz naturalizações políticas ou morais ou nos torne portadores únicos dela, enquanto cada cultura é singular diante das outras e isso também serve para a política.

É preciso sim saber a singularidade de cada local, de nosso país, língua e povo, sem no entanto esquecer que construímos um estado a partir delas, com elas e que este estado é também palco de disputas, de questões ideológicas e que é sim um estado que se encaixa em um modelo de estado burguês que não é nada singular e cujas relações internas e externas a ele se tratam também em tradições importadas e mantidas no cotidiano político transformadas sim pelas nossas singularidades, sem no entanto terem sido apagadas.

Não temos os políticos mais ladrões e nem o estado mais perdulário, não somos os singulares ineptos para a prática democrática e nem os únicos a terem parte da população amante de líderes carismáticos de esquerda ou direita, não somos os únicos que compramos ou vendemos votos e nem tampouco os poucos e parcos enfrentadores de crime organizado enfiado em política ou que possuímos escândalos de corrupção e nem precisamos mais ou menos de ditadores de esquerda ou direita para resolver todos os nossos problemas.

Uma pesquisa básica na história dos países do mundo, e eu fiz recentemente uma boa leitura da história dos EUA, aliada ao acompanhamento das notícias internacionais nos dão uma dimensão de imensa solidariedade nossa com problemas e dilemas da maioria dos países do mundo, ao menos os ocidentais. E ai nossa singularidade cai, para o drama dos ufanistas do mal e do bem e para o alívio de quem não se acha tão marciano assim.

É preciso entender que nossas particularidades e singularidades não nos mudam de planeta e que a defesa delas para além do razoável também serve a ideologias, a interesses políticos imediatos, a lógicas partidárias que no fundo são só a velha e boa puxada de brasa para sua sardinha.

É preciso estar atento a isso para não incorrermos em uma lógica atávica de nossa inadequação para a democracia, para as transformações. É preciso entendermos que nada deve parecer natural, nada deve parecer impossível de mudar.

Até porque de perto, ninguém é normal.

2 comentários:

  1. estava refletindo sobre isso esses dias e teu ponto de vista é bem semelhante ao meu, embora bem mais estendido. gostei.

    ResponderExcluir

Trasversalize