sábado, 11 de junho de 2011

A Esquerda no SOS Bombeiros

 Na Quinta-Feira dia 08 de Junho fui até a ALERJ me solidarizar com o movimento dos Bombeiros.A manifestação é o que tem de mais popular, com um espectro ideológico que vai de Bolsonaro a PSTU.
  Estar neste tipo de movimento, sem nojinho de povo e de suas posições nem sempre avançadas, que por vezes ecoam Bolsonaros, é fundamental pra esquerda tomar vergonha no focinho e sair do Facebook e Twitter e fazer alguma coisa, e isto vale também pra este que vos escreve.
 O movimento de apoio aos Bombeiros teve eco em toda sociedade e gerou o primeiro recuo político de Cabral desde que eleito pela primeira vez para governador, ao menos o primeiro recuo levado a cabo por um movimento popular. O esforço de disciplinados homens e mulheres da categoria, que se orgulham de sua disciplina e esforço na honradez de suas carreiras de salvadores e Heróis, como se autoproclamam e dificilmente alguém na sociedade iria discordar, em superar a hierarquia para exigir respeito profissional e salário digno era nítido. Não se pode ignorar o que representa de possibilidades a união de categorias militares numa reivindicação de melhoria para a categoria. Ou seja, a corda do arrocho tá tão esticada que uma galera que nunca cogita ir pra rua e sair da camisa de força que a disciplina militar os prende tá indo pra rua e brigando.
 A presença da PM em apoio a seus companheiros Bombeiros é mais que um sinal, por isso a presença sui generis no palanque, da direitaça à esquerda, porque toda a sociedade foi atingida por isso. A recusa de membros do batalhão de choque e até da tropa de elite do Governador, a guarda pretoriana de Cabral, o BOPE  em participar doo teatro de repressão da sexta 04 de Maio, quando o quartel central foi ocupado pelos Bombeiros e invadido pela truculência do BOPE sob ordens do Ditador Cabral, é um sina de que nem tudo são flores sob o manto de Beltrame.

São vários os sinais da Movimento, sinais e caminhos deixados para serem lidos e apontar direções e ações.    Em primeiro lugar que há no ar um sinal de que as categorias não estão mais afim de cair no lero lero de desenvolvimento onde o cofrinho da rapaziada ganha pouquinho enquanto outros cofres abarrotam de moedas. O povo tá meio cansado de ganhar migalha e a manifestação dos bombeiros não é a única que exige mais grana, mais salário e mais estrutura, tá aí a  greve na Volks pra gente prestar atenção. 

Outro sinal interessante é a quebra da paz dos cemitérios da segurança pública e da imagem do Governador Bossa Nova, justo e cheiroso, que consegue com a segunda maior economia do País pagar menos que Alagoas a seus soldados. A recusa de parte da polícia militar em executar ordens do Cabral Junior, o filho do homem que acha que o funk é criação da CIA, não é brinquedo não e tem de ser analisada com cuidado e explorada pela resistência a este projeto de Estado e Cidade Olímpica que é muito fofo pra empreiteiras, mas nada pra moradores removidos, soldados e bombeiros que recebem menos que migalhas, sendo que alguns deles ainda são antipáticos à população obedecendo ordens dos políticos "empreiteiros", que não ganham só R$ 950,00, e olha que to falando só de salário. O apoio popular e a adesão de professores ao movimento é sintomático de que o saco encheu e que a pergunta no ar é: Que estado rico e "olímpico" é esse que paga tão mal a seus policiais, bombeiros e professores? E que governo é este que propagandeia um estado e cidade que só existem pro COI, mas que pra seus funcionários e moradores removidos ou são migalhas ou a borracha da repressão, sem contar que quem repreende ganha tão mal quanto o reprimido?

Se os Heróis são tratados na borracha, imagina o lombo do povo,né? E é de se notar a oportunidade de discutir com quem dá a borrachada do governador, que contesta suas ordens por percebe-las absurdas, quando são soldados os alvos delas. Será que não é hora de abrir diálogo pra que eles percebam que do outro lado as passeatas são estudantes e profissionais, trabalhadores, que como eles são reprimidos por exigirem melhores condições de trabalho e salário ou verbas pra melhoria da escola?

A oportunidade aberta para a esquerda é imensa, ou a gente se ocupa de conversar com esse povo ou o diálogo vai se na linha do Bolsonaro.A direita não questiona o direito de greve que os Bombeiros tem, e querem que eles ganhem pra derrotar Cabral e depois voltem com os PMs à vida normal de obediência. 

E o que nós queremos? Ensiná-los ou conversar e apontar as contradições que eles mesmos tem com relação a nós ou aos professores que hoje apoiam tanto a polícia quanto aos heróis bombeiros? 


A oportunidades de apontar como são iguais os professores e os  Bombeiros nas suas necessidades e em como são tratados os trabalhadores pelos governos e patrões é de ouro. A oportunidade  de mostrar pro PM que ele bate na gente da mesma forma que bateria no Bombeiro, que as ordens são as mesmas e as reivindicações são tão justas tanto, que ele é um trabalhador que é preso, reprimido, mal pago e obedece a ordem de quem mal paga, oprime, rouba, como patrões e governadores é mais que de ouro, é uma brecha tão grande que não tem valor nem mesmo metafórico a ser colocado.

É hora da esquerda ir além dos deputados  e influencia,r abrir papo, conversar, abrir amizade com militares, aproveitar que mais categorias aprovam e apoiam este movimento e aumentar sua influencia, sair do rame rame de briga fratricida, e ganhar essa gente, ou amanhã apanharemos de novo de quem chamamos companheiros e seremos ignorados por outros valorosos trabalhadores que continuarão votando em Bolsonaro.

PS: A turma do PSOL parecia um exército de Brancaleone que ninguém sabia quem que era por falta de identificação. Se bandeiras, sem panfleto, sei lá. Nego demora demais pra escrever, e isos sem instancia, sem nucleo pra discutir,etc.. A Executiva é rápida quando não precisa, quando teria que ouvir núcleos,etc, mas é lerda pra cacete pra encarar a tarefa de responder publicamente sobre uma movimento, coisa que só foi feita na prática na terça-feira. E pra quem não escuta núcleo ou faz plenária ao menos comprem bandeiras, camisas, panfletos pra vender e a gente comprar e mostrar a pomba do partido fora das eleições,né?

2 comentários:

  1. Por que o ato dos bombeiros cria um precedente perigoso

    Os bombeiros assim como qualquer categoria têm o direito de pedir melhoria salarial, ocorre que por servirem junto com a PM, sob regime militar, lhes é vetado o direto à greve. Nos últimos dias o que tenho visto no Rio é um circo. Uma categoria que vem sendo “doutrinada” por políticos faz meses, chega ao ponto de rasgar sua lei militar, invadir um quartel, ocupar e inutilizar viaturas.
    Ora, isso é inadmissível em um estado de direito. Imaginemos se médicos decidem fazer greve, invadir hospitais, furar pneu das ambulâncias e trancar as portas; E se um dia policiais em greve ocuparem os presídios e ameaçarem soltar os presos? Não obstante, teríamos ainda a possibilidade de Soldados do exército em greve, colocarem tanques para obstruir vias. Pergunto: Onde a sociedade vai parar? É esse o precedente que a sociedade deseja abrir com os bombeiros?
    Para que não corramos esse risco há uma legislação militar que rege as FFA, Bombeiros e a PM. Independente de qualquer pleito salarial, ela tem de ser respeitada. No momento em que a sociedade permitir que essa lei seja ignorada, estará pondo em risco sua própria ordem.

    ResponderExcluir
  2. Carlos, primeiro que o problema é exatamente essas categorias serem militares e estarem sob um regime que os impede de exercerem seus direitos fundamentais de cidadãos e seres humanos, que é o direito ao protesto e à greve. Segundo que antes de serem militares são trabalhadores o precedente perigoso é soldado ser por uma hierarquia militar que é mantida para além de sua funcionalidade em tempos de guerra como forma de coerção de cidadãos e limitação de seus direitos criando uma subclasse, um subcidadão cujos deveres superam os direitos.

    Quando a lei deixa de ser legítima e viola o fundamental e superior a ela ela tem de ser mudada. Onde a sociedade via parar? Em pleno regime de liberdade e respeito aos direitos fundamentais, me desculpe, mas seu argumento é o do medo e mais colocar que bombeiros são doutrinados é tratá-los como imbecis e isso é de uma arrogância ímpar e circo é tratar todo o movimento como uma palhaçada e palhaçada é uma lei que impede trabalhadores de lutarem por conquistas.

    Se a lei militar trata como crime um direito fundamental ela é uma lei contrária à qualquer legitimidade.

    ResponderExcluir

Trasversalize